De volta ao meu antigo eu


Como dizem: na vida sempre há uma primeira vez. Essa é a minha estreia fazendo blogagem coletiva. Preciso ressaltar que eu achei a iniciativa do pessoal do Bloga Web maravilhosa, e o tema “A criança que eu era se orgulharia do adulto que eu me tornei?” me chamou muita atenção e foi muito importante tirar esse tempo para fazer essa autorreflexão.

Uma das lembranças mais fortes que eu tenho de minha infância foi quando nasceu em mim o desejo de atuar. Ainda me recordo como se fosse hoje de uma peça que eu fiz quando ainda estava no jardim de infância.




Foi minha primeira vilã! A raposa malvada!

Acredito que foi a partir daí que eu fui picada pelo desejo de atuar. Como criança eu fiquei completamente encantada com o teatro e com todas as possibilidades. Lembro ainda que além da apresentação para os pais e responsáveis nós fomos convidados a apresentar a peça em outro colégio. Isso sempre ficou marcado em mim e levarei com carinho por toda a minha vida.

Eu crescia e esse desejo só aumentava dentro de mim. As pessoas ao meu redor pensavam que era uma fase e que quando eu crescesse deixaria esse sonho de lado.  Entretanto, em nenhum momento essa chama se apagou. Ao contrário, eu sentia que ela cada vez mais se fortalecia.

Então, eu cheguei na adolescência firme e forte com meus objetivos. Foi nessa mesma época que comecei a fazer teatro. Primeiro na igreja perto de minha casa e depois no colégio. A melhor fase foi quando formamos um grupo maravilhoso com vários amigos que tinham o mesmo sonho.

Mas, acredito que por morar em uma cidade pequena onde geralmente nunca valorizam as artes, sempre nos deparávamos com muitas dificuldades para realizarmos os nossos sonhos na área de atuar. Me dói até hoje ver amigos tão talentosos tendo que desistir de sonhos porque a vida adulta passou a exigir novas responsabilidades.

Na época dos vestibulares eu tentei usar minha nota do Enem para entrar em artes cênicas e por se tratar de um curso muito concorrido não consegui passar para a faculdade federal. Foi aí que eu caí na inocência de acreditar que poderia fazer outra faculdade. Passei para letras e por algum tempo achei que seria uma boa opção, afinal eu também gostava de escrever. Só que depois de algum tempo eu comecei a sentir o peso de minha decisão.

Não posso negar que foi uma época de muito aprendizado, afinal o ambiente universitário é completamente diferente do escolar. E sem falar que morei em outra cidade por alguns anos, e foi um período bem enriquecedor. Só que chegou uma hora em que me deparei comigo mesma. Tive vários questionamentos e cheguei à conclusão sobre o que queria para meu futuro.

Algumas vezes na vida precisamos dar alguns passos para trás a fim de pegar impulso para correr atrás de nossos objetivos. Foi isso que eu fiz. Nem sempre é a decisão mais fácil. Tive que abrir mão de várias coisas, uma delas foi o hábito de ir ao teatro prestigiar várias montagens, afinal voltando para o interior teria que diminuir e muito as idas ao teatro.


Agora parando para pensar, a criança que eu fui teria muito orgulho da adulta que eu me tornei. Além de permanecer fiel aos meus princípios não desisti do meu sonho em cursar artes cênicas. Minha persistência me move a conquistar todos os meus objetivos mesmos com todos os percalços pelo caminho.






Confira também os textos dos outros participantes:
Essa blogagem coletiva foi organizada por meio da BlogaWeb - A rede social dos blogueiros e blogueiras.
ProximaProxima Pagina Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário